carregando...


Taboão da Serra, 14 de Dezembro de 2017 - 16° C

Mais famílias taboanenses aderem ao Programa Criança Feliz

Programa Criança FelizadesãoCRAS Monte AlegreCRAS ScândiaAssistência Social e Cidadania

Atualizado em: 05/12/2017 11:12

Mais famílias de Taboão da Serra estão aderindo ao “Criança Feliz”, programa do Governo Federal que tem como objetivo o desenvolvimento integral na primeira infância.  Os convites de adesão estão sendo feitos pela Secretaria de Assistência Social e Cidadania.


No dia 23 novembro, a pasta se reuniu com pessoas atendidas pelos Centros de Referência em Assistência Social (CRAS) Scândia e Vila Sônia. Já no dia 29 de novembro, o encontro foi com moradores dos territórios dos CRAS Trianon e Monte Alegre. Ao todo foram convidadas 348 famílias pré-selecionadas por atender aos requisitos do programa.


Em todos os encontros, a secretária de Assistência Social, Arlete Silva, e o coordenador do Criança Feliz em Taboão da Serra, Pedro Soares, ressaltaram a importância do programa.


“Os primeiros anos de vida de uma criança são decisivos para o seu desenvolvimento social e psicológico saudável. Através das visitas domiciliares pretendemos fortalecer os laços familiares e reforçar que todos são responsáveis pelo cuidado e pela proteção destas crianças”, afirmou Arlete Silva.
 

Reuniões para apresentação do Programa Criança Feliz estão sendo promovidas pela Secretaria de Assistência Social.


Lançado em Taboão da Serra em 25 de outubro, o Criança Feliz pretende beneficiar 600 famílias no município. Através de visitas domiciliares feitas por estagiárias de nível superior das áreas de serviço social, psicologia e pedagogia, são desenvolvidas atividades para o desenvolvimento das crianças e fortalecimento de vínculos familiares.


O programa é destinado a gestantes, crianças de 0 a 3 anos cujas famílias sejam beneficiárias do Programa Bolsa Família, crianças de até 6 anos cujas famílias recebam Benefício de Prestação Continuada (BPC) e crianças de até 6 anos que, por decisão judicial, foram afastadas do convívio familiar em razão de medida protetiva prevista no Estatuto dos Direitos da Criança e do Adolescente (ECA). A adesão é voluntária.